quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O menino assustado

Todos lhe tinham medo. Não aquele respeito reverencial que até nos orgulha que sintam por nós; medo mesmo.
E os anos passavam, sem que nada fizesse para alterar a situação. Talvez até a piorasse propositadamente, para defesa do menino assustado que calava em si.
O seu coração há muito se fechara, capaz apenas de recordar em silêncio o amor da mãe. Que partira.
Ficara só. O seu estado natural, pois não se dava aos outros. Afastava-os. Inspirava-lhes medo.
O medo que de si próprio transpirava…

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada por enriqueceres o meu petisco com as tuas deliciosas palavras...
Se, por qualquer motivo técnico, não conseguires publicar aqui o teu comentário, envia-o para petiscosdeletras@gmail.com